• Banner do Neojiba
  • Prêmio de boias práticas 2017
  • Programa de Estágio
  • Novas sedes e visturas reforçam segurança no Sudoeste
  • marca do passe livre
  • Dia das Crianças - Secretaria lança campanha Bote Fé no Futuro
  • .
  • .
  • Diário Oficial
  • Transparência Bahia
  • Compras Net

Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos - SUDH

A Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos HumanosSUDH é uma estrutura que integra o Governo do Estado da Bahia desde 2003, com a criação da antiga Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), através da Lei nº 8.595/2003. A SUDH foi mantida, incorporando e ampliando programas e projetos, com a criação da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social, a partir de 2015.

A missão institucional da SUDH é planejar, coordenar, promover, supervisionar, articular, avaliar e fiscalizar as políticas públicas estaduais, voltadas para a promoção e proteção dos direitos humanos, além de executar as deliberações emanadas dos Conselhos Estaduais vinculados à referida Secretaria.

Desenvolvendo ações de caráter essencialmente transversal, esta Superintendência avançou significativamente na construção de parcerias com outras Secretarias de Estado, Municípios, Órgãos do Poder Judiciário, Ministério Público, além da Sociedade organizada, na perspectiva de implantar e implementar políticas públicas que, efetivamente, contribuam com a formação de uma cultura de respeito e proteção aos Direitos Humanos e de formação de cidadania, a maioria delas inexistentes até 2006.

Superintendente

Emiliano José

Emiliano José é doutor em Comunicação e Cultura Contemporânea pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), professor aposentado da Faculdade de Comunicação, onde lecionou por 25 anos, jornalista de carreira e escritor com doze livros publicados. Exerceu o mandatos de deputado federal, estadual e vereador de Salvador. Emiliano iniciou a luta contra a ditadura militar em São Paulo, como vice-presidente da União Brasileira dos Estudantes (UBES). Perseguido, foi obrigado a viver na clandestinidade e se mudou para a Bahia nos anos 70. Em Salvador, foi torturado e condenado pelos militares a quatro anos de prisão, com suspensão dos direitos políticos. Em dezembro de 2010, recebeu o “Prêmio J.J. Calmon de Passos”, outorgado pelo Ministério Público da Bahia, por serviços prestados à sociedade na defesa dos direitos humanos. 

Contatos
(71) 3115-9477
Recomendar esta página via e-mail: