• CORONAVÍRUS
  • RH Bahia
  • RH Bahia
  • Casa Nova
  • Bahia estado voluntário
  • Bahia estado voluntário
  • CILBA
  • Dia das Crianças - Secretaria lança campanha Bote Fé no Futuro
  • Campanha Respeita As Mina
  • PAA  Leite - Cadastramento
  • Diário Oficial
  • Transparência Bahia
  • Compras Net

Redução de Danos

22/10/2021 15:10

'O que é ser um usuário?': alunos do curso de Redução de Danos discutem tipos e padrões de uso

Feche os olhos, depois pegue um papel e desenhe a sua resposta: o que é ser um usuário de drogas ilícitas? Foi com esse questionamento que a psicóloga e mestre em Antropologia pela Ufba, Débora Ferraz, abriu a aula da terceira turma do Curso de Redução de Danos oferecido pelo Programa Corra Pro Abraço, da secretaria de Justiça,  Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS), na manhã de quarta-feira (20).     
   
A aula foi marcada por muitos depoimentos fortes e pessoais, com um rico debate sobre os fatores que fazem com que uma pessoa se torne dependente de substâncias psicoativas e de que maneira o contexto socioeconômico em que a pessoa está envolvida pode potencializar eventuais sofrimentos e dificuldades em suas vidas.   
   
"Há uma ideia de que o uso de drogas ilícitas é sempre problemático e às vezes o problema não é a substância e sim o contexto onde a pessoa está inserida. Há uso recreativo, abusivo, indevido, ritualístico e os padrões de uso falam quando a pessoa começa a ter prejuízo social em função do uso abusivo", disse Débora Ferraz.   
   
Segundo a psicóloga, a ideia da atividade era mostrar que o problema não são as drogas ilícitas em si, mas o contexto de condições que levam, ou não, a situações de abuso e sofrimento: problemas sociais como o racismo e a própria desigualdade em si podem tornar a experiência dos usuários mais danosas.   
   
A turma é formada por 12 cursistas, que apresentaram desenhos diversos e várias palavras-chave que dialogam com o que foi apresentado por Débora e ajudaram a fomentar o debate em cima do tema apresentado.    
   
Supervisora de campo do Programa, a psicóloga Emanuelle Teixeira afirmou que esse tipo de tema suscita experiências individuais e acabam caindo no campo da moralidade. Segundo Emanuelle, é importante superar esse lado porque o curso é uma iniciativa voltada para a saúde, ignorando questões de segurança ou moralidade.   
   
No entanto, para superar as barreiras morais, é importante que os participantes do curso se sintam à vontade para falar das próprias experiências e, aos poucos, se abrirem para os conceitos da redução de danos.    
   
"O curso é continuado, temos um cronograma. Na aula passada falamos de socioantropologia das drogas. A turma está começando agora e é importante isso aparecer. Temos um cronograma a cumprir e entendemos que a redução de danos atravessa qualquer tema. Esse espaço de fala é importante", explicou Emanuelle Teixeira.   
   
O curso de Redutores de Danos e Referência de Campo é uma estratégia do Corra pro Abraço lançada em 2015 com objetivo de ampliar as práticas de redução de danos entre assistidos do Corra e da rede psicossocial, por meio de metodologias leves e libertadoras. As aulas desta turma foram iniciadas no dia 15 de Setembro e a duração é de 5 meses.

Acompanhe a SJDHDS nas redes: FacebookTwitter, FlickrInstagram e YouTube.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.