• CORONAVÍRUS
  • RH Bahia
  • RH Bahia
  • Casa Nova
  • Bahia estado voluntário
  • Bahia estado voluntário
  • CILBA
  • Dia das Crianças - Secretaria lança campanha Bote Fé no Futuro
  • Campanha Respeita As Mina
  • PAA  Leite - Cadastramento
  • Diário Oficial
  • Transparência Bahia
  • Compras Net

Direitos Humanos

07/04/2021 18:04

"Vivemos na pele o aumento das violações aos nossos direitos", afirma Cacica Cátia Tupinambá em debate promovido pela SJDHDS

Direito à terra, à vida, à educação, histórias de luta e resistência, e o agravamento das violações dos direitos dos povos indígenas no Brasil. Estes e outros temas marcaram os debates da 1ª edição do ‘Falando sobre Direitos Humanos’, uma iniciativa da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS). A live transmitida ao vivo pelo YouTube da SJDHDS e contou com as participações das lideranças Cacique Babau e Cacica Cátia. 

O encontro foi mediado pelo superintendente de Apoio e Defesa dos Direitos Humanos da SJDHDS, Jones Carvalho, que destacou a importância do espaço para ampliar o debate sobre direitos fundamentais, luta e resistência. 

“Estamos falando de direitos básicos e fundamentais, e de lutas que tem custado muitas vidas, para que se volte a ter ao menos uma parte do que se tem direito. É muito importante ter esses depoimentos, que tenhamos conhecimento, e apoiemos essas lutas. O Brasil tem um histórico de extermínio dos povos indígenas e uma política instaurada explícita de genocídio, principalmente no contexto pandêmico que enfrentamos”, enfatizou o superintendente. 

“Quem são os povos indígenas sem as suas terras?”. A Cacica Cátia Tupinambá, da Aldeia Patiburi de Belmonte, trouxe em sua fala a preocupação com os índios forçados a desocupar seus lugares de origem, sobretudo, os que perderam os seus direitos à prioridade na vacina contra a covid-19, por conta disso.

“Nossos direitos foram violados no passado, no presente, e no futuro será pior se não fizermos algo para mudar essa história. Vivemos na pele o aumento das violações aos nossos direitos, principalmente às terras tradicionais. Muitos indígenas por estarem fora das suas aldeias não estão tendo a atenção devida no atendimento de saúde. Tentam tirar tudo de nós, mas seguimos a todo custo nos mantendo vivos, pois a forma que conhecemos de viver, é resistindo. A falta de visibilidade da nossa luta é grande, por isso, é tão importante o apoio da SJDHDS e de outras entidades, por essa oportunidade de dizer e mostrar o que vivemos”, destacou a Cacica.

O Cacique Babau, líder do povo Tupinambá na Aldeia Serra do Padeiro, também pontuou sobre a preocupação com o aumento dos ataques aos direitos indígenas.

“Não dá para relaxar diante das situações que estão acontecendo em nosso país. Tivemos mais de 60 lideranças indígenas assassinadas ano passado. Tem aumentado a discriminação, e as ações desproporcionais de violência contra nosso povo. As nossas reivindicações são legitimas e é necessário dar visibilidade à luta dos índios que tem enfrentado ainda mais desafios nessa pandemia, que tem vitimado milhares de pessoas em nosso país”, destacou ele.


Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.