• RH Bahia
  • RH Bahia
  • Casa Nova
  • Prêmio Boas Práticas
  • marca do passe livre
  • Dia das Crianças - Secretaria lança campanha Bote Fé no Futuro
  • Campanha Respeita As Mina
  • PAA  Leite - Cadastramento
  • Diário Oficial
  • Transparência Bahia
  • Compras Net

Direitos Humanos

07/02/2019 17:02

SJDHDS e Cejuve promovem oficina de danças negras na 11ª Bienal da UNE

Os ritmos envolventes do pagode baiano, afro house, funk, dance hall e da dança afro contagiaram os participantes da 11ª Bienal da União Nacional dos Estudantes (UNE), presentes no átrio da Escola de Dança, no campus de Ondina da UFBA, em Salvador. A oficina de dança, promovida, das 14h às 15h, pelo Conselho Estadual de Juventude (Cejuve), em parceria com a Coordenação de Políticas para a Juventude (Cojuve), ambos vinculados à Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), foi uma das ações desenvolvidas pelos órgãos na Bienal e que se estenderão até sexta-feira (8).

Técnicas de danças negras, periféricas e tradicionais, além da percepção corporal dos movimentos nos corpos, foram passadas ao público pelo dançarino e presidente da Comissão de Cultura do Cejuve, Ronald Castro. “A gente também aproveita o momento para potencializar o que é marginalizado e estereotipado pela sociedade, principalmente a branca e elitizada. E nada melhor do que trazer essa desconstrução a um espaço diverso e democrático”, comentou. A atividade também contou com a participação de Vanúbia Pereira, secretária executiva do Conselho e membro da Cojuve.

O estudante Diego Augusto, 22, veio de Natal, no Rio Grande do Norte, para participar da 11ª Bienal e aproveitou o momento para dançar e conhecer mais sobre os ritmos. “A dança africana mergulha nas nossas origens. A gente descobre mais sobre nosso passado e isso é importante para saber quem somos”, disse, satisfeito.

A 11ª edição da Bienal da UNE marca os 20 anos do evento, que, este ano, tem como lema "Um reencontro com o Brasil" e homenageia o artista Gilberto Gil. As atividades ocorrerão até 10 de fevereiro e incluem mostras culturais, shows e seminários, além de debates conjunturais, educacionais e de organização do movimento estudantil.

ID Jovem - Os jovens participantes da Bienal, com idade entre 15 a 29 anos, também puderam se cadastrar no Programa Identidade Jovem (ID Jovem), que dá direito à gratuidade no transporte interestadual e à meia-entrada em eventos esportivos e culturais, através do ônibus da Estação da Juventude da SJDHDS, estacionado próximo à Biblioteca da UFBA, das 10h às 15h. Segundo o coordenador do ID Jovem na Bahia e integrante da Cojuve, Sílvio Lacerda, a ação é fundamental para “garantir que a juventude tenha acesso a esse direito em um espaço como a Bienal, que reúne milhares de estudantes de todo Brasil”. Somente pela manhã, foram emitidas 85 carteiras do benefício.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.