• Banner do Neojiba
  • marca do passe livre
  • Dia das Crianças - Secretaria lança campanha Bote Fé no Futuro
  • .
  • .
  • Campanha Respeita As Mina
  • PAA  Leite - Cadastramento
  • Diário Oficial
  • Transparência Bahia
  • Compras Net

Acessibilidade

13/07/2017 13:07

SJDHDS e Alba discutem acessibilidade no plenário da Assembleia

Na manhã desta quinta-feira (13), o superintendente dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), Alexandre Baroni, fez uma visita às obras do plenário da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) para verificar a adequação às normas de acessibilidade. Acompanhado pelo chefe de gabinete da Alba, Márcio Barreto, e uma equipe de engenheiros responsável pela reforma, Baroni destacou a importância de ações para tornar o espaço mais acessível. "A Assembleia, como a casa do povo, precisa ter acessibilidade. É garantido, por lei, o direito de ir e vir a todos nós. Precisamos pensar em alternativas possíveis para não excluir pessoas com deficiência de transitar por aqui", pontuou.


Antes do início da reforma, o plenário já possuía um elevador que dá acesso à mesa da Casa, mas o acesso ao púlpito só era feito por meio de escadas. Além disso, a infraestrutura do local não era efetivamente adaptada. De acordo com Barreto, a visita foi fundamental para adequar o espaço às pessoas com deficiência física ou com qualquer dificuldade de locomoção. "Iniciativas como esta são essenciais, independentemente de ser lei ou não. Precisamos ter sensibilidade à causa e proporcionar acessibilidade às pessoas. Afinal, somos todos iguais", frisou.


Após o encontro, foram definidas intervenções, como o nivelamento do piso da mesa central e do púlpito, infraestrutura acessível e o acesso à galeria do plenário, previstas para serem concluídas e entregues no dia 1º de agosto - prazo final da reforma. O superintendente da Sudef e o chefe de gabinete da Alba também firmaram projetos futuros, que incluem medidas nas quatro salas das comissão e em outros setores, capacitação dos servidores, instalação de elevadores amplos e piso tátil no térreo. "Precisamos pensar além na questão de acessibilidade. Quebrar escadas e construir rampas é fácil; o problema é mudar a mentalidade das pessoas quanto à importância de espaços adequados e acessíveis. É o que buscamos", destacou Alexandre Baroni.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.